Don Lula Nascimento, o nosso Pérola Negra!

Lula Nascimento - baterista baiano
Don Lula Nascimento, lendário baterista da Bahia, o nosso "Baquetas de Ouro" ou "Pérola Negra".

A esquisitice em ver Don Lula Nascimento, o nosso "Pérola Negra" já no descanso merecido, foi bem impactante! Poxa! Pra todos nós que sempre o vimos como uma máquina de disposição, com a energia proporcional a cada peça de uma bateria, as imagens; real e emotiva, não conseguiram se conectar! Eu não gosto de ir a enterros, evito ao máximo ao contrário de muitas pessoas que gostam e fazem desse tipo de circunstância uma oportunidade para "networking", mero aproveitamento para aparentar evidência etc . Um enterro nos faz ter como última lembrança daquela pessoa a quem tanto estimamos, realmente a versão que menos desejaríamos guardar; sem o verniz (todos temos!) , sem suas expressões, manias, enfim, sem características impressas ao mundo que justificaram a nossa presença na última despedida. Nos resta apenas as marcas da batalha da vida, as quais todos estaremos expostos um dia. Quando o alvo da despedida é um nosso herói, por maior aceitação que aprendemos ao longo da caminhada em relação ao final da missão, a nossa carga de emotividade fica mais latente. Luís Nascimento da Conceição foi um herói para algumas gerações de músicos, o nosso linha de frente, pioneiro, o Don (com "n" - o nobre), "Luisinho de Amaralina", o "Baquetas de Ouro". 
 

 
Cheguei pouco antes do horário marcado, mas as coisas se atrasaram um pouco e esperei do lado de fora da sala que ocorria o velório. Apesar do ambiente de tristeza, saudade e inconformidade que reina em um cemitério, eu só conseguia me lembrar dos nossos encontros sempre cheios de alegria, das muitas vezes que tocamos, de quando o vi tocando pela primeira vez, das histórias contadas por ele e sobre ele, da sua gargalhada escandalosa, do "Má Rapáááááááá!" que externava quando algum solo o agradava muito, e das vezes que na JAM do MAM íamos tocar e ele estava super elétrico, então eu sugeria "Inútil Paisagem", a música preferida dele. Era a alternativa certeira pra agradá-lo, diminuir sua eletricidade e ter oportunidade de tocar o gênero Bossa Nova com o máximo de autenticidade, de uma forma que só ele tocava, "beber na fonte". Sempre era uma nova oportunidade. Eu aprendi a perceber a beleza dessa música, "Inútil Paisagem", com ele...Me lembrei das dezenas de vezes que o via tocando e em seguida ia elogia-lo, e sempre os agradecimentos pelo elogio vinham acompanhados da frase:  "Estava suingado, Don?" (Música pra Lula essencialmente tinha que ter muita vibração e "suingue").
 
A alegria e o entusiasmo para com a música, como sempre me foi ofertado por Lula, não caberia tristeza em detrimento de tantas lembranças, como ter presenciado Nico Assumpção contar como o conheceu:  "Eu sempre que ia a Nova Iorque, me encontrava com um amigo saxofonista e ele me falava de um baterista da minha terra que estava tocando muito por lá...Aí que uma vez, fui ver esse amigo tocando e me chamou atenção o baterista, ele se sobressaía do resto do grupo. Quando terminou o som fui perguntar ao meu amigo saxofonista quem era aquele baterista, e ele me disse ser o baterista da minha terra que sempre me falava - Lula Nascimento". Do mesmo Nico, no ensaio (na casa de Ivan Huol) para o projeto JAZZ no MAM que recebia convidados, lembro a reação ao ser perguntado por Ivan sobre a possível canja de Lula: "Ainda está vivo?" (com as mãos na cabeça e rindo bastante!) Nico então contou várias histórias de Lula em N. York e confirmou várias míticas que o cercavam e a satisfação em poder vê-lo novamente. 
 
Lula Nascimento, "Pérola Negra", o maior baterista da história da Bahia, o patrono da nossa música instrumental.  Don Lula não será lembrado como o "tio" que todos deixavam dar uma canja na bateria, Lula não, ele será lembrado como o "Mestre" que "balançava a roseira", que mesmo com mais idade, não deixava a "peteca cair", o bandleader da Avant - Garde Jazz Band, na qual orgulhosamente tive a oportunidade honrosa em tocar .  Se nos Estados  Unidos, berço do jazz, houveram bandas comandadas por bateristas como The Jazz Messengers - Art Blakey, Paul Motian Electric Bebop Band - Paul Motian etc aqui tivemos a Avant - Garde Jazz Band com Don Lula.  A Avant - Garde tinha uma música fixa no repertório, "Pinnochio", e por uma razão muito simples, Lula havia feito o teste para substituir Alex Acuña na bateria do Weather Report, uma das bandas mais aclamadas da história do Jazz Rock. Infelizmente, não deu pra Lula,  Peter Erskine foi o aprovado nos testes.  Eu imagino que ser convidado a fazer o teste para entrar no Weather Report, não bastava ser um baterista mediano. Escrevendo agora, tenho a certeza que esse texto não é uma homenagem a Lula. Todas as vezes que o encontrei, pude homenageá-lo usando de toda reverência a qual ele merecia e em vida. Hoje é dia apenas de reconhecer que ele passou pelos seus 74 anos na "Juventude Transviada", semelhante a que gravou com Luiz Melodia, reconhecer que não foi nada agradável vê-lo, sem receber aquele abraço "quebra - costelas" de costume, que conhecemos o músico que não "Chorou, chorou" e tocava sempre feito um "Terremoto" , seja em Salvador, seja N. York, seja em Paris ou no "Amazonas", impressionando "A Rã", "Nana das Águas" e quem mais aparecesse, sempre "suingado" como gostado de ser percebido e como gravou "Ahiê".  E fica a certeza que esse não é nenhum "Fim de Sonho", e que ele já deve estar se preparando pra virar os pratos da bateria, assim como são os retrovisores de algum Lamborguini, em prontidão pra ligar sua máquina de suingar e tocar "Pro Zeca!", com aquela "chuveirada" na introdução (segurando duas baquetas em cada uma das mãos) junto a Victor Assis Brasil e Márcio Montarroyos...E ele tava lá, atento ao "Quem é Quem" da breve despedida, como que se tivesse lido meu texto sobre a modelagem equivocada que fazemos dos norte - americanos (leia aqui) ... e "aquela poeira, a poeira da cachoeira, não vai esquecer hein?! Aquela poeira no caminho da cachoeira...e pra finalizar dê um abraço em Grapette!"..."até um dia, até talvez, até quem sabe?!" 
 
Chico Oliveira.
 
Se cadastre na nossa lista de emails e compartilhe com alguém que possa ter interesse por esta postagem ou outros conteúdos do site! 
Sinta-se à vontade para deixar comentários e sugerir conteúdos.
 

Compartilhe:

Veja também:

plugins premium WordPress