Improvisação com notas do acorde.

Abordagem com arpejos de 4 notas.

Hoje resolvi compartilhar a mais antiga técnica de improvisação que se tem notícia, a aplicação de notas do acorde.
Parece um tanto óbvio, mas tocar as notas do acorde pode ser um dos caminhos mais bonitos para a construção de um solo.
É claro que quando iniciamos alguma atividade, seja ela qual for, queremos provar para nós mesmos o domínio dos passos nessa atividade, e juntamente com tal necessidade, surge a atração pelos caminhos mais difíceis.
Romper essa atração pelo mais “complicado”, realmente, é um passo que requer força de vontade, e não podemos negar que possivelmente, trata-se antes de tudo, de uma luta interior.  

Quando comecei a me interessar por improvisação, sempre escutava dos músicos mais experientes – “toque as notas do acorde!” (arpejos) e no auge da minha “aborrecência”, por diversos motivos, eu não seguia esses conselhos.
Trabalhava todas as escalas,  e mais aquelas que aparecessem.
Eram lídios, frígios, tons inteiros, mixolídios, menores, cromáticas, aromáticas, bombásticas etc.
Serviu? Serviu!  
Hoje eu diria que poderia ter servido muito, mas muito mais rápido.  
Com a devida distância e aprendizado que o tempo sempre nos presenteia, posso fazer uma comparação daquela fase, com um condutor de automóveis que conhece um pouco do seu bairro, nada mais,  e passa a trabalhar como motorista profissional sem GPS.
Entra em rua, sai em rua, sobe, desce, percorre enormes trajetos para chegar a distâncias minúsculas….
O tempo passa e vamos aprendendo melhores caminhos, menores trajetos, melhores paisagens etc.
Vamos às notas do acorde!
Temos a progressão:
Progressão de acordes para estudo de arpejos
Progressão de acordes para estudo de arpejos
Admitindo que inicialmente iremos tocar arpejos de 4 notas, sobre o Bm7(b5)  (Si – ré – fá – lá), basta tocarmos as mesmas notas que formam esse acorde.
Observando com atenção, existem 24 possibilidades de se tocar as notas desse acorde, e se pensarmos em explorar outras oitavas esse número sobe consideravelmente. 
Sobre o E7(b9) (Mi – Sol# – ré – fá) basta tocar as notas que formam o acorde, assim como no Am7 (Lá – dó – mi – sol), também tocaremos as notas do acorde.
Arpejos de 4 notas sobre progressão sugerida
Arpejos de 4 notas sobre progressão sugerida
Segue abaixo um exemplo de linha melódica escrita para tocarmos sobre essa progressão:
Frase utilizando notas do acorde
Frase utilizando notas do acorde.
Com uma abordagem rítmica interessante, e com esta vasta gama de opções de notas apenas para tocar sobre um único acorde, imagine o quanto você pode soar interessante?!?
Quanto mais utilizamos as notas do acorde sobre uma determinada progressão, mais somos conduzidos a pequenos saltos, consequentemente, a melodias mais angulares, e a soarmos mais “inside”, ou seja, estaremos potencialmente sugerindo as mudanças de acordes de forma melódica, em outras palavras, reforçando o caráter tonal daquela progressão dada.
Em uma perspectiva menos teórica, tocar “inside”, priorizando as notas do acorde, também é uma forma (em potencial) de despertar a atenção do ouvinte.
É sugerir ao ouvinte uma maior aproximação com o que está sendo tocado. Se você tem dificuldades em saber as notas que formam os acordes, e todas as tramas que ocorrem ali por dentro, te recomendo fortemente o TREINAMENTO PRELÚDIO.

Trabalhando a técnica

Sugiro inicialmente que seja trabalhado arpejos de 4 notas em várias combinações dessas notas e nas 12 tonalidades.
Comece trabalhando pelas 4 categorias básicas de acordes:
X7M (1 3M 5J 7M);
X7 (1 3M 5J 7m);
Xm7 (1 3m 5J 7m);
Xm7(b5) (1 3m 5dim 7m).
Utilizando um pouco de conhecimento em harmonia, com essas ferramentas você já poderá tocar de forma consistente em um número considerável de progressões harmônicas.
Esta técnica foi, e é extensamente explorada por grandes improvisadores, e eu cito alguns da minha predileção:  Charlie Parker, Chet Baker, Wes Montgomery, George Benson, Ricardo Silveira, Dexter Gordon, Bill Evans, Dominguinhos, Jim Hall e muitos outros.
Se você é um improvisador iniciante, sugiro que tire solos pra ganhar vocabulário rítmico/melódico, e escreva linhas melódicas sobre algumas progressões para que possa praticá-las, sobretudo, a conexões entre os acordes.
Isso poderá ajudá-lo a entender como funciona melhor esse pensamento mais “horizontal” dos arpejos, e a medida que for adquirindo confiança, essas conexões previamente trabalhadas poderão ajudá-lo a encontrar outros caminhos, outras sonoridades, e outros olhares para determinadas progressões.
Faça bom proveito!
Chico Oliveira.
Cadastre-se na lista de e-mails e receba atualizações, bem como clique no sininho aqui ao lado. Se você tem alguma dúvida, sugestão ou caso queira compartilhar algo sobre os assuntos aqui tratados, entre em contato comigo.
Recomende essa e outras postagens a pessoas que possam ter interesse e não se preocupe, eu não concordo com a emissão de spam!
 

Compartilhe:

Veja também:

plugins premium WordPress